quinta-feira, 25 de março de 2010

Contos - O QUE HÁ, MEU CORAÇÃO? 2

Pedi licença, e sai correndo as escadas. Ninguém entendeu nada. Entrei no meu quarto, tranquei a porta. Eu tava desesperada. Não sabia o que fazer. Fui pro banheiro, lavei meu rosto, olhei-me no espelho: "Marta o que é isso?" me perguntei.
Eu tinha 20 anos de idade, já havia namorado 3 rapazes. Me lembro que meus namoros não foram lá essas coisas. Tinha feito sexo com um, mas ele não foi carinhoso. E eu não gostei da experiência que tive. Mas daí a me interessar por mulher? Aff, era demais pra minha cabeça!
Voltei pra sala, minha mãe perguntou:
- Que foi filha? tá se sentindo mal?
Eu disse:
- Não mãe tá tudo bem.
Ela veio até mim, e começou a perguntar da faculdade, disse que faria o próximo vestibular. Meu pai e o pai dela conversavam lá fora, meu irmão ainda não tinha chegado do trabalho. E a mãe dela foi na cozinha ajudar mamãe. Ficamos sozinhas. Ela me disse que tinha 23 anos. Vieram do interior de Minas Gerais, porque o pai dela iria trabalhar na empresa do irmão dele.
Ela me perguntou:
- Você namora?
Eu ainda nervosa respondi:
- Não, não, terminei tem 3 meses. e você?
Ela me disse que não namorava há seis meses. Que a última namorada dela, viajou para os Estados Unidos ilegalmente. Eu gelei e disse:
- Como assim? namorada?
Ela na maior naturalidade, disse "sim namorada, mas não conta pra ninguém". 
Fiquei sem palavras, ela percebeu, e me pediu desculpas, perguntou se eu tinha preconceito. Eu trêmula disse que não, que tava tudo bem.
Minha mãe logo chamou:
- Meninas tá na hora, vamos jantar!
Todos na mesa, eu pensando que aquilo tudo era sonho, pesadelo, sei lá. Ela me olhava, com olhar firme, direto, e eu sem graça. Jantamos, eu fiquei calada na mesa, eles conversando, contando histórias... 
Acabamos, ela me puxou pela mão, queria que eu fosse até o jardim. Chegando lá ela disse:
- Sabe o que tem de bom no interior? Podemos ver o luar e as estrelas com mais brilho!
Eu mudando de assunto perguntei, que curso ela pretendia fazer, ela disse que queria fazer direito. Eu achei legal a escolha dela, conversamos sobre a cidade, eu dizendo o que tinha de bom pra ela conhecer no rio de janeiro. Ela disse "tá feito você será minha guia turística." sorrimos, quando os pais dela a chamaram pra embora, todos se despediram, e meu irmão chegando. Veio logo ao meu ouvido: "maninha, que gata!" eu tive que rir.
No dia seguinte, acordei cedo, fiz questão de ir na padaria, quando abri o portão... 

Continua............


Artigos Relacionados

1 comentários:

lotus disse...

A história sempre "continua..." quando tá ficando bom! Tudo bem acho que sobrevivo atá a outra parte.
Beijos!!

26 de março de 2010 08:13

Postar um comentário